domingo, 28 de outubro de 2012

Pintura Encáustica Marcelo Tanaka

Sobre a finitude...



“[...] Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo – expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar – caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração
[ ] …. você não consegue conectar os fatos olhando para frente. Você só os conecta quando olha para trás. Então tem que acreditar que, de alguma forma, eles vão se conectar no futuro. Você tem que acreditar em alguma coisa – sua garra, destino, vida, karma ou o que quer que seja. Essa maneira de encarar a vida nunca me decepcionou e tem feito toda a diferença para mim.
Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. Você já está nu…” 

Texto completo em MacMagazine


terça-feira, 16 de outubro de 2012

Walt Disney's & Salvador Dali - Destino 2003 (HD 1080p)




"O filme conta a história de Chronos, a personificação do tempo e da incapacidade de realizar seu desejo de amor por uma mortal. As cenas misturam uma série de pinturas surreais de Dali com dança e metamorfose.A produção de destino começou em 1945, 58 anos antes de sua conclusão e foi uma colaboração entre Walt Disney eo pintor surrealista espanhol, Salvador Dalí. Salvador Dali e Walt Disney foi o destino produzido por John Dali e Hench por 8 meses, entre 1945 e 1946. Dali, na época, Hench descrito como uma "figura fantasmagórica" ​​que sabia melhor que Dalí ou os segredos do filme da Disney. Por algum tempo, o projeto permaneceu em segredo. O trabalho do pintor Salvador Dali era preparar uma animação seqüência de seis minutos combinando com dançarinos ao vivo e efeitos especiais para um filme no mesmo formato de "Fantasia". Dali em estúdio trabalhando em Os personagens da Disney estão lutando contra o tempo, o relógio gigante que emerge da face de pedra grande de Júpiter e que determina o destino de todos os romances humanos. Dalí e Hench estavam criando uma técnica nova animação, o equivalente cinematográfico de "crítica paranóica" de Dali.Método inspirado na obra de Freud sobre o subconsciente ea inclusão de imagens ocultas e dupla. 
Dalí disse: "Entertainment destaca a arte, suas possibilidades são infinitas."O enredo do filme foi descrito por. Dalí como "A exibição mágica do problema da vida no labirinto do tempo." 
Walt Disney disse que foi "Uma história simples sobre uma jovem garota em busca do amor verdadeiro."

domingo, 14 de outubro de 2012

Arte do Artista: primeiro episódio




Dédalo e Ícaro

A QUEDA DE ÍCARO – Peter Paul Rubens, 1636-8.
Óleo sobre tela. Museu de Arte Antiga, Bruxelas.
Lenda de Dédalo e Ícaro

Dédalo era um construtor e um escultor muito competente de Atenas que caiu em desgraça por ter assassinado Talo. Acolhido com amizade pelo rei Minos de Creta, Dédalo refugiou-se com o filho Ícaro na Ática. Foi incumbido de construir um labirinto para guardar o terrível Minotauro, filho da Rainha Pasifae, mulher de Minos, e de um touro. Minotauro era portanto um monstro, metade homem e metade touro, que se alimentava de carne humana. O labirinto era tão perfeito que até Dédalo teve dificuldade em sair dele.
O rei Minos, como castigo pelo facto dos Atenienses lhe terem matado o filho Androgeu, tomou a cidade de Atenas e impôs um tributo anual de sete rapazes e sete raparigas para alimentar o Minotauro. Ao fim do terceiro tributo, Teseu, filho do rei de Atenas, ofereceu-se como uma das vítimas, a fim de salvar a sua Pátria do flagelo que os atingia. Ao chegar a Creta, Ariadne, filha do rei Minos, apaixonou-se pelo jovem Teseu e, com a ajuda de Dédalo, deu ao jovem um novelo de fio que guiou o herói para fora do labirinto. Furioso com a traição de Dédalo, o rei Minos mandou-o encerrar, juntamente com o seu filho Ícaro, numa ilha de onde não podiam fugir sem autorização do rei. Dédalo começou então a imaginar uma fuga. Recolheu penas de aves e, unindo-as com cera, construiu asas para si e para o filho. Conseguiram assim voar até uma ilha vizinha, mas Ícaro, entusiasmado com o sucesso da experiência, continuou a voar cada vez mais alto, não dando ouvidos a Dédalo, que de terra o advertia para não voar alto de mais, por causa do sol. Como se aproximou demasiado do sol, este derreteu a cera das asas e Ícaro caiu no mar Egeu, afogando-se para grande desgosto de Dédalo, que mais não pôde fazer do que observar e chorar a morte do filho. A ilha, onde caiu o corpo do jovem Ícaro, recebeu o nome de Icária.

Referências:
 Lenda de Dédalo e Ícaro. In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2012. [Consult. 2012-10-14].
Disponível na www: .

sábado, 13 de outubro de 2012

Arte do Artista


Algumas vezes surge no horizonte alguma coisa realmente nova na TV, que nos tira da mesmice rotineira de nossas vidinhas burras. Hoje, entre um feriado e um domingão, zapeando preguiçosamente, descubro um programa muito instigante, provocativo... Confiram:  Arte do Artista, com apresentação de Aderbal Freire Filho, vai ao ar pela TVBrasil, sábado, 20horas.

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Mafalda...uma sábia

Quero agradecer aos amigos Letícia e Juliano pela lembrança.
Bela imagem, bela mensagem...
bjjjs
soniamaris

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Instagram Fake


Quer colocar efeitos do instagram em suas fotos digitais comuns?
Vários sites disponibilizam feramentas:
Eu experimentei o Pixlr-o-matic

Outras sites:

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

1001 discos...


Vocês conhecem o livro 1001 discos pra se ouvir antes de morrer? Foi disponibilizado um link para escutar todos os discos online e a Feito tinha que divulgar isso para vocês!

Aqui: http://bit.ly/NAM38D

Conte para todos os seus amigos!

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Micro contos 01

 Cresce - Arnaldo Antunes - 1999 - II Bienal de Artes do Mercosul
"Palavra ou mágica?Só uma opção. Escolheu. Errado:não era palavra. Mas o escritor sempre opta pela palavra."  Moacyr Scliar

domingo, 8 de julho de 2012

Relatório Pedagógico: Arte Contemporâneanovas linguagens


RELATÓRIO PEDAGÓGICO

“Arte Contemporânea: novas linguagens”
Sônia Maris



RELATÓRIO PEDAGÓGICO

1. Primeiro encontro: 25/04/2012 (quarta-feira) das 11h15min às 12h
Primeiro encontro, muitas ideias e expectativas na cabeça. Um inevitável “friozinho” na barriga, como em uma pré-estreia teatral. Apesar de todo estudo, preparação, matérias selecionados com carinho, sala arrumada para recebê-los, o medo de que o planejamento não funcione como imaginamos ou  que os alunos não se interessem pela proposta é uma preocupação que não conseguia afastar da mente antes do início da primeira aula.

Classes empilhadas no centro da sala, como uma Torre de Babel, papel pardo cobrindo o chão, quadro branco com canetas coloridas, a caixa de som amplificada a postos, alunos a caminho. A mente fervilha “Um período parece tão pouco tempo. Será que vai dar tempo?” Essa angústia só se dissipou com a chegada dos alunos. O convite a andarilhar pelos caminhos que se oferecem está posto. O espaço se apresenta de forma transgressora. A música aguça os sentidos. Os olhos brilham arregalados, curiosos, intrigados. “O que está acontecendo?” O silêncio aos poucos dá espaço às perguntas, as risadas, todos falam ao mesmo tempo, ansiosos, agitados, como só os adolescentes sabem ser. Solicitados a observarem os percursos que traçaram no chão para chegarem ao ponto em que estão, eles novamente se surpreendem. “Como assim?” Olham para o chão e tentam descobrir suas pegadas, marcadas pela força de seu próprio peso e pela poeira grudada nas solas dos tênis. Mais um momento de excitação e euforia. Não conseguem separar o traçado dos seus passos dos colegas. Eles se cruzam, misturando-se numa trama divertida, alguns mais fortes, outros quase imperceptíveis, passos curtos, passadas largas, pés grandes e pequenos. A turma se diverte tentando descobrir por onde vieram e a quem pertence cada marca no chão. Questiono sobre suas escolhas, trajetos, caminhos que percorreram, sobre o que os torna individual e onde começa o coletivo. Solicitei que escrevessem no quadro essas sensações, impressões, questionamentos... O período de aula passou voando...A saída, as perguntas continuavam rondando as cabeças de todos...Pedi que eles tomassem notas das impressões pessoais que tiveram a partir dessa experiência e que nas próximas aulas falaríamos sobre isso.


2. Segundo encontro: 02/05/2012(quarta-feira) das 11h15min às 12h
Antes de iniciar a segunda aula, algumas dúvidas ainda me assombravam: Teriam os alunos aproveitado o momento de sensibilização? Conseguiriam fazer a relação entre a experiência vivida e a arte contemporânea? Não tem como antecipar essas questões; o jeito é seguir para a aula e comprovar os resultados com os próprios olhos.

Começada a segunda aula, já menos ansiosa, aguardei os alunos na sala de vídeo e apresentei o vídeo “O que é arte contemporênea?” (5’28”) e discutimos questões que o vídeo apresentava, como: O que é arte? Para que serve a arte?  A arte contemporânea tem alguma utilidade? O que a arte contemporânea tem a ver com o nosso cotidiano? Tentando fazer com que os alunos relacionassem a aula anterior com o que eles estavam discutindo agora.
Os alunos, no começo um pouco tímidos, quando começam a falar, ninguém consegue pará-los. Novamente, uma profusão de ideias, perguntas e respostas simultâneas, minha Babel estava materializada naquela sala de aula. Sugeri que tomassem notas do que achavam de mais significativo e do que os colegas falavam, além de suas dúvidas e inquietações, que isso ajudaria a organizar seus pensamentos. 

Para ajudar a explicar o inexplicável, me socorri em outro vídeo (12’) que trata do mesmo tema, que me pareceu apropriado no momento, “Isso é arte?” itaucultural, da coleção arte na escola, que traz, além de imagens da arte contemporânea, trechos de uma palestra muito interessante do professor Celso Favaretto. Creio que esse documentário enriqueceu muito a nossa discussão. Todos ganharam com a apreciação desse vídeo. Creio que principal função da arte, que é a de ensinar a ver e sentir de outra maneira, foi assimilada por todos. Ao fim da aula, os alunos já estavam se achando os mais contemporâneos da escola.

3. Terceiro encontro: 09/05/2012(quarta-feira) das 11h15min às 12h
A terceira aula também foi realizada na sala de vídeo. Para esta aula, foi preparada uma seleção de imagens (link nas referências) dos artistas contemporâneos (Helio Oiticica, Chisto e Jeanne-Claude, Nuno Ramos, Eduardo Srur, Nelson Leirner, Tunga, Cildo Meireles) com sua produção mais significativa. O convite era para apreciar as obras e conhecer um pouco das diferentes poéticas de cada um dos artistas que trabalhavam com arte contemporânea, muito especialmente com as instalações, foco de atenção principal. Partindo do conceito já internalizado de que arte não é cópia, mas criação de algo novo, que pode se apresentar através de diferentes linguagens (verbais e não verbais), aguçando nossos sentidos (visão, olfato, tato, audição) e servindo de meio de comunicação e expressão artística, partimos para essa aventura. Falamos sobre as obra, os artistas, sobre os processos de criação, os materiais utilizados, os resultados que obtiveram, as motivações dos artistas para escolher determinados temas e poéticas, os suportes que cada um deles utilizou em suas criações. Nessa aula, a partir de suas anotações e interesses, os alunos já puderam escolher o artista e a linguagem (videoarte, instalação, performance, intervenção...) que pesquisariam e produziriam o projeto com seus grupos. Para essas escolhas eles poderiam buscar as referências nos sites sugeridos na listagem que eles receberam ou ainda buscar outras. A definição final somente seria comunicada ao professor na aula seguinte.

4. Quarto encontro: 16/05/2012(quarta-feira) das 11h15min às 12h
O quarto encontro foi totalmente dedicado a exploração e desenvolvimentos dos projetos de cada grupo, em sala de aula. Já com seus artistas e linguagens praticamente definidos, a pesquisa se deu dentro e fora da sala de aula. Muitas dúvidas, os grupos demoraram muito tempo para decidir-se por um ou outro artista.
Os grupos formados ficaram muito desequilibrados, como seria de esperar em uma turma com um número tão expressivo de alunos. Havia três grupos bastante ativos e que tinham bastante clareza do que gostariam de produzir; e, outros que não tinham ideia de por onde começar. Dos grupos que já tinham algo alinhavado: o primeiro grupo era imenso, muitos componentes, alguns já com alguma experiência em teatro, queria fazer uma performance com fantasias assustadoras no meio pátio, causando espanto em todos. Optaram por provocar o estranhamento. Outro, claramente inspirado pelo Christo e a Jeanne-Claude queria empacotar algumas árvores, relacionando isso ao meio ambiente degradado. Sua opção clara foi a do envolvimento político, da denúncia ecológica. Um terceiro grupo, trabalharia com arte conceitual, numa inspiração que misturava Cildo Meireles, Vik Muniz e Eduardo Srur. O espaço re-significado, o objeto cotidiano reinventado com materiais inusitados, insólitos. Esses grupos já partiram para sua pesquisa e produção de forma bastante autônoma, sem que eu precisasse interferir ou ajudar muito.
Os demais grupos estavam muito perdidos e precisaram de atenção redobrada. A ideia que eles tinham de que arte tinha que ser “bem feita”, “bonita”, “bem acabada” para ter valor estava emperrando a sua criatividade. Foi bastante difícil convencê-los do contrário. Penso que mesmo tendo conseguido que eles se envolvessem e produzissem algo que falasse de seus desejos, medos, inquietações, ainda não tenho certeza se esse grupo entendeu que no processo, no envolvimento, na experiência estava a chave do seu fazer poético. Não conseguiam perceber como transformar o seu cotidiano em arte, nem a relação entre o que eles viam e faziam com alguma coisa que pudesse ser considerada arte. Difícil. No final da manhã, os grupos remanescentes formaram três grupos, que se uniram por interesses em comum. Um deles trabalharia com a ideia do registro fotográfico das artes que se utilizam do movimento (música, dança, teatro) através de uma instalação fotográfica. Outro grupo trabalharia com a questão da identidade e da memória, montando um vídeo com fotografias da escola, desde sua fundação até os dias de hoje. Um último grupo ainda está com dúvidas entre um vídeo de música cover ou uma instalação. Não quero pressioná-los, tenho tentado dar sugestões, apontar algumas possibilidades, mas eles são bastante tímidos, e não querem se expor. Vamos encontrar uma solução.

5. Quinto encontro: 23/05/2012(quarta-feira) das 11h15min às 12h

Dando continuidade a elaboração dos projetos, tivemos um encontro em sala de aula, com os grupos formados e trabalhando. As solicitações eram muitas; difícil trabalhar com 45 adolescentes ávidos por conhecimentos, em apenas 50 minutos. Muitas vezes pensei que não daria conta de tanta coisa. O mural que planejei foi descartado sumariamente, uma lástima. Pensei que a ajuda individual, por grupos, seria mais útil, e menos constrangedora, tendo em vista que um grande número de alunos estava com dificuldade no planejamento dos seus projetos.

6. Sexto encontro: 30/05/2012(quarta-feira) das 11h15min às 12h
No sexto encontro tive ajuda extra para atender aos inúmeros pedidos de ajuda, a tutora Marta Ramos Collares, esteve presente e pode constatar o quanto os alunos nos solicitam. Nessa aula, finalizamos os planejamentos, definimos os últimos ajustes para as instalações. Listamos os possíveis nomes para a mostra de trabalhos, ainda sem definirmos o nome final. Retomaríamos a votação em outro dia para que eles pudessem dar sua opinião e escolher o nome da mostra. Finalmente, o último grupo, dos indefinidos, que queria a princípio produzir um videoclipe com cover de músicas que eles gostam, acabou se decidindo por uma instalação que contemplasse uma problemática bastante séria na nossa escola, na qual os alunos tem uma certa parcela de responsabilidade, que é a questão da depredação das classes e do excesso de lixo produzido. A presença da supervisora que inspirou a garotada, e eles arregaçaram as mangas e se puseram a trabalhar. 

Imprevistos e acontecimentos que mudam nossos planos devem estar sempre no horizonte de qualquer professor, seja de que área for. No caso, do estágio não foi diferente. Houve uma mudança de horário, devido a trâmites administrativos/pedagógicos e o horário mudou, de quarta-feira para terça-feira.
Isso causou um certo transtorno, pois na terça-feira seguinte, que eu deveria entrar em aula, havia no calendário as Olimpíadas de Matemática.
Então, negociações entre supervisão, direção e professores da escola, para que o estágio não atrasasse, conseguiu-se chegar a um acordo e o período de Arte pode ser trabalhado no dia 12/06 (terça-feira), seguido de um período no dia 15/06 (sexta-feira).
Passadas essas negociações, os alunos foram avisados que teriam mais uma semana para o planejamento e finalização de suas instalações para a Mostra na escola.

7. Sétimo encontro: 05/06/2012 (terça-feira) mudou para 12/06 (terça-feira) das 11h15min às 12h, em função das Olimpíadas de Matemática
Tudo pronto para o grande dia da Mostra dos Trabalhos “A Arte é uma Viagem”. Os alunos estavam bastante seguros do que queriam mostrar aos colegas, mas o friozinho na barriga, aquele que todos nós sentimos diante de algo novo ou diferente, estava presente.
Desde cedo os alunos começaram a chegar com suas malinhas cheias de apetrechos, maquiagem, ferramentas, equipamentos os mais variados, tudo que eles consideraram fundamentais para que conseguissem montar sua exposição de trabalhos. Os grupos estavam bem organizados e pareciam saber exatamente o que fazer. Toda aquela “bagunça criativa” havia trazido todos até esse momento, e agora era só colocar em prática aquilo que foi pensando, planejado e criado por eles.
Gratas surpresas se materializavam a olhos vistos. Dificuldades momentâneas que surgiam eram contornadas com bom humor e um espírito de pertencimento ao grupo que recompensou cada minuto de dúvida que pudesse ter. Aos poucos, os espaços foram sendo tomados e seus trabalhos ganharam vida.
O professor é sempre suspeito a falar de seus pupilos, mas nesse caso muito especial, tenho que dizer que todos me surpreenderam positivamente, inclusive aqueles que estavam com bastante dificuldade de engrenar o trabalho.
Com o título de “A arte é uma viagem” os alunos expuseram suas produções, e ficaram a disposição, como verdadeiros artistas, falando com o público (colegas e professores) que queria saber o que estava acontecendo; muitos ficavam observando, perguntando curiosos, admirados, alguns apavorados, chocados... Outros passavam ao largo, sem se aproximar, mas com os olhos vidrados... (vejam as fotos). Sugeri que os alunos não dessem respostas diretas, que instigassem as pessoas a pensar sobre o que elas estavam vendo, que cada um pudesse ter a sua visão da obra e que a partir dessa leitura, eles poderiam dizer alguma coisa que contribuísse para o entendimento do espectador. A ideia do grupo de alunos de causar impacto, estranhamento e reflexão fui plenamente atingida. Alguns exagerados chamaram a mostra de Bienal (numa clara alusão a Bienal do Mercosul, com a qual muitos já tiveram contato). Achamos muito divertido tudo isso e ficamos até com uma pontinha de orgulho. Até por que não consideramos que um mostra de apenas uma turma devesse causar tanto impacto. Ficamos até imaginando como seria se toda escola pudesse participar e mostrar suas obras. Quem sabe? Temos o Projeto Ler é Arte em outubro e os alunos já estão pensando no que vão fazer para a Mostra. Não querem repetir. São realmente muito contemporâneos esses alunos.


Mostra de Trabalhos “A arte é uma viagem”

8. Oitavo encontro: 12/06/2012 (terça-feira) mudou para 15/06 (sexta-feira) das 11h15min às 12h

O que parecia um inconveniente, a troca de horário, acabou sendo uma coisa muito boa, pois ao poder fazer a auto-avaliação três dias após a mostra, foi providencial. Estava tudo “fresquinho” na cabeça dos alunos. Eles acabaram de vivenciar uma experiência única e as impressões que ficaram foram muitas. Eles próprios passam a comentar seus trabalhos e apontar os pontos fortes, os aprendizados, as curiosidades...
A Mostra de Trabalhos “A Arte é uma viagem” teve como pesquisadores-produtores-executores seis grupos: quatro deles trabalharam exclusivamente com instalação, um com videoarte e um com performance. Uma curiosidade a respeito da produção dos trabalhos foi a presença de nomes dos trabalhos em inglês: “Thriller” para nomear a performance inspirada nos parangolés do Oiticica, “The Crazy of Art” para a arte conceitual inspirada no Cildo Meireles, “Tree Alone” para a instalação inspirada no Christo e Jeanne-Claude; um dos grupos nomeu seu trabalho em latim: Hodiernis Art, com a instalação fotográfica sobre a arte em movimento; o grupo com “Consciência” criou uma instalação sobre o lixo e a depredação das classes escolares, dividido em três espaços diferentes: um simulacro de sala de aula reproduzido no palco central, um letreiro gigante no pátio, e um conjunto muito interessante de classe e cadeira, onde um cesto de lixo estava vazio com uma pá e uma vassoura ao lado e o lixo se acumulava a sua volta, em que o visitante-espectador era convidado a recolher o lixo do chão e colocar no cestinho, numa clara provocação para que o visitante deixasse a passividade e passasse à ação.
Quando questionados quanto a como a arte pode mudar a vida? Os alunos responderam da seguinte forma: “Através de novas ideias e novos conceitos” (A.C.), “Como uma forma de expressar nossos sentimentos e fazer protestos pelo que nós achamos certo” (B.) “Para tornar visível a real verdade das pessoas do mundo e a imaginação” (F.), “As vezes as pessoas se espelham ou se expressam na arte da qual foi proporcionada e assim podem tentar mudar o mundo” (G.), “Para tornar visíveis nossos sentimentos nunca descobertos” (L.), “A arte pode mudar até seu jeito de pensar. Pela arte podemos ter muitas oportunidades de conquistas e aprendemos muitas coisas com ela” (I.), “Serve para reviver as lembranças do passado e do presente que vamos levar para o futuro” (K.), “ A arte como desejo de mudar” (D.)
Novamente, a questão do tempo que nos consome. Muito do que foi vivido não pode ser traduzido em palavras por todos os alunos. A opção de trabalhar em grupo, se por um lado facilita a vida do professor, e oportuniza que os alunos se organizem de forma a deixar os que são mais falantes tomem a frente, por outro, deixa os mais tímidos sem voz. Isso é uma das coisas que devem ser corrigidas num próximo trabalho. Mais tempo e espaço, para dar voz aos invisíveis da sala de aula que, com certeza, têm muito a acrescentar.

5 ANÁLISE PEDAGÓGICA

“Desconfia daqueles que te ensinam
Lista de nomes, fórmulas e datas e que
Sempre repetem modelos de cultura
Que são a triste herança que aborrece.

NÃO APRENDE APENAS COISAS
Pense nelas
E constrói sob teu desejo
E imagens que rompam a barreira que asseguram
Existir entre a realidade e a utopia:

Vive num mundo côncavo e oco,
Imagine como seria uma selva queimada,
Detém o movimento das ondas nas arrebentações,
Tinge o mar de vermelho,
Segue algumas paralelas até que te devolvam
Ao ponto de partida,
Coloque o horizonte na vertical,
Faz uivar um deserto,
Familiariza-te com a loucura.”

 José Agustín Goytisolo

Trabalhar com educação é estar sempre se reinventando e aprendendo coisas novas. Com a prática de estágio 2 não foi diferente. Nossa experiência anterior é extremamente válida na hora de planejar e organizar as seqüências didáticas, mas de pouco valem se na hora de por em prática não conseguimos perceber se as escolhas feitas estão funcionando para aquela turma em especial.
Trabalhar com arte, muito especificamente, arte contemporânea foi uma experiência bastante especial. Primeiramente, pelo fato de que esse é um conteúdo que a professora de artes da escola dificilmente conseguia trabalhar, tanto por questões de currículo, como por questões de falta de entendimento de sua importância. Segundo, por que os alunos, nessa faixa etária - imersos em no mundo contemporâneo, sentindo-se muitas vezes incomunicáveis, em que a velocidade e o individualismo é quem manda, onde o mundo a sua volta causa estranhamento e espanto - estão mais do que prontos para enfrentar esse desafio.
Provocar os alunos a pensar e produzir arte como forma de desenvolver a sensibilidade e a expressão artística, fazendo com que eles pudessem experimentar os diferentes processos de criação no qual a ideia, a ação e o projeto é muito mais significativo do que o resultado final; levá-los a perceber que qualquer material pode servir para criar arte, que não precisamos de materiais caros e inacessíveis para expressarmos nossa criatividade; perceber como a arte pode estar conectada com a vida cotidiana de forma mais presente do que imaginamos.
A experiência proporcionada de leitura de imagens, pesquisa, apreciação, relacionando as obras com a vida cotidiana a partir das novas linguagens da arte contemporânea, do trabalhar coletivamente para um mesmo fim, das produções textuais que tinham por fim levá-los a pensar sobre a arte contemporânea possibilitou que os alunos se expressassem de forma mais livre e pudessem ver com outros olhos a arte contemporânea, tantas vezes incompreendida por falta de proximidade e desconhecimento de seus signos.
Mais do que adquirir informação, os alunos tiveram uma experiência ímpar para desenvolver sua percepção, observação, imaginação e sensibilidade para a arte contemporânea, através de exercícios de fruição, pesquisa e prática de forma contextualizada.










6 AVALIAÇÃO

Os Meus Pensamentos são Todos Sensações

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a boca.
Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.
Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto.
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema IX"
Heterónimo de Fernando Pessoa


Impossível falar na prática de estágio sem pensar em estesia. Lembro das palavras da professora Umbelina, logo no início do curso, tentando fazer que víssemos além do visível, que percebêssemos todo encanto por trás da aspereza da vida. E eu, tola, sempre privilegiando mais a razão do que a emoção, cheia de certezas, achando que toda aquela conversa nunca me afetaria, que minha visão de mundo, real, concreto, cheio de dureza e injustiças, nunca seria afetada da forma poética como a professora tentava nos seduzir, encantada. Dizia ela, que deveríamos sim ter um pé na realidade, mas que nem por isso, deveríamos deixar de sonhar e de possibilitar que nossos alunos também pudessem sonhar e criar de forma mais prazerosa. Que pudéssemos ver com todos os sentidos, aguçados, atentos, sensíveis ao que o mundo oferece para quem está disposto a enxergar.

A experiência com o Estágio em Artes Visuais foi rica em vários aspectos: na questão de possibilitar uma maior aproximação com os alunos, adolescentes, que sempre gostam de novidade e sentem-se estimulados com propostas que provoquem seus sentidos, que desafiem sua capacidade criativa; no entendimento de que todos podem criar a partir de suas experiências pessoais obras que ultrapassam a lógica da sala de aula fechada, que se abrem para dialogar com outras pessoas, outras visões, que acrescentam e interagem com as mesmas; no desenvolvimento de um olhar contemporâneo sobre o mundo que nos cerca; e na capacidade que os alunos têm de sempre nos surpreender.

Sou professora de Língua e Literatura, e muitas vezes nos deixamos levar pela rotina, pelo material já cristalizado, pronto, acabado, e deixamos de perceber a riqueza que uma nova abordagem, um novo olhar sobre uma mesma coisa pode trazer. O aprendizado de valorizar o processo, a ação, o projeto - mais do que o resultado final - ficará para outras áreas do conhecimento em que atuo. Aprendizagens significativas que levaremos para o resto de nossas vidas.

Projeto: Arte Contemporânea:novas linguagens



Arte Contemporânea: novas linguagens

Sônia Maris Rittmann


Hélio Oiticica e Neville D’Almeida, Cosmococa 5 Hendrix War, 1973,
projetores, slides, redes, trilha sonora (Jimi Hendrix) e equipamento de áudio, dimensões variáveis, foto: Eduardo Eckenfels


“O mundo contemporâneo não pode mais ser pensado como uma plantação
(onde cada planta tem sua raiz) porque ele está em rede.
Identidades migratórias,relações estáveis e instáveis.” Fernando Cocchiarale


1. O Projeto:
“Arte Contemporânea:novas linguagens”
O presente projeto foi pensado a partir das observações em sala de aula da uma turma de 1º ano do Ensino Médio Politécnico, de alguns diálogos estabelecidos com a professora Roselaine Fontana Albino, regente de Artes da turma, e da orientação da tutora à distância Marta Ramos Collares. O projeto visa não apenas atender ao cronograma da disciplina de Estágio de Docência Supevisionado, sob orientação da coordenação da Andréa Hofstaetter, como também, provocar de alguma forma construções significativas que possam contribuir para que os alunos possam compreender, mesmo que minimamente, a relação entre a Arte e o mundo em que estão inseridos, levando em conta seus interesses, conflitos e paradoxos.

2. Público alvo:
O projeto deverá ser aplicado na EEEB Profº Gentil Viegas Cardoso, em Alvorada-RS, em uma turma de 1º ano do Ensino Médio Politécnico, com 45 alunos matriculados, sendo 18 meninas e 27 meninos, com idades que variam de 15 e 18 anos, sendo que um aluno especial se encontra fora dessa faixa etária, tendo 21 anos. Trata-se de jovens, filhos de trabalhadores que saem todas as manhãs para trabalhar na capital, Porto Alegre, e deixam os jovens por sua própria conta, responsáveis pela casa e pelos irmãos mais novos. Apesar de todas as dificuldades, são jovens que ávidos por novidades, que interagem com o mundo que o cercam, que querem sempre mais e querem fazer parte das decisões a seu respeito, que gostam de se divertir, conversar, interagir com seus amigos e com o mundo. Jovens de seu tempo, conectados ao mundo virtual, sempre conectados aos seus celulares, acessam as redes sociais com certa freqüência e gostam muito de atuar. A rua é o seu palco. O mundo do trabalho é uma preocupação que começa a fazer parte de sua rotina, o futuro parece incerto e assustador. Seus projetos de vida estão começando a serem construídos nesse momento.

3.Justificativa do Projeto


"(...)Todos os acontecimentos envolvem pequenas revelações,
pausas que interrompem o fluxo e a solidez da realidade,
momentos em que a fluência da vida adquire um sentido renovado.
 Realmente estou convencido de que existem dinâmicas sociais
 que nos fazem manter a perspectiva de uma convivência mais justa e rica,
para além das palavras de ordem e dos movimentos estritamente políticos.
E esses acontecimentos singelos são apenas a manifestação fugidia desses processos mais amplos(...)"
Rodrigo Naves¹

Qualquer projeto de arte deveria levar em consideração que é preciso gostar de aprender arte. Para que isso ocorra, faz-se necessário que sejam oportunizadas situações educativas para que todos desenvolvam esse “gostar de arte”. A proposta de trabalhar com a Arte Contemporânea: as novas linguagens pretende incentivar os alunos a estabelecer relações entre arte, cultura e vida pessoal através de um universo desafiador que se impõe cotidianamente e que precisa ser vencido. Ultrapassar a experiência cotidiana, cheia de limitações e incertezas, e perceber que podemos, como cidadãos, criativos, sensíveis, sermos capazes de apreciar, fazer e contextualizar arte é o grande desafio do presente projeto.

Pensar a Arte Contemporânea a partir do tripé proposto por Ana Mae Barbosa: apreciação (ver), produção (fazer) e contextualização (estabelecer relações). Seguindo um roteiro que parte da apreciação estética de obras de arte (reproduções), passando pela leitura de imagens e pesquisa da Arte Contemporânea; desenvolver um projeto de trabalho (desenvolvimento de uma poética pessoal), que tanto pode ser individual como coletivo, que leve em conta as novas linguagens em arte em contrapartida ao mundo real e cotidiano, estabelecendo relações (contextualizando) entre o vivido e o desejado, entre a rotina repetitiva de seus mundos particulares e a realidade contemporânea tão rica e desafiadora, tanto do ponto de vista estético como afetivo; refletir sobre a produção individual e coletiva, de forma a tentar superar os desafios impostos pelos materiais trabalhados e pela vida, traçando planos para que se possa sonhar com transformações significativas em seus projetos de vida.

Penso que podemos aproveitar os estudos da Arte Contemporânea, a partir do termo pós-modernismo amplamente utilizado para designar o contexto atual e que ainda gera bastante controvérsia entre os estudiosos do período, para compreendermos os paradoxos da vida contemporânea. Tentar estabelecer as relações possíveis entre uma arte que nos traz como uma das suas características “o desafio da interpretação de uma ideia, de uma crítica, de uma denúncia”. A proposta é aproveitar a arte como uma ferramenta que possa instigar os alunos, jovens que querem interagir, participar, decidir seu próprio caminho, a observar o mundo e refletir sobre o ambiente em que vivem, a violência, as vicissitudes da vida de forma que possa ser extremamente estimulante. A proposta de trabalhar com o tema, colocando em destaque os paradoxos da vida, parece-me ser um caminho possível de ser trilhado. 


4.Tema Central

O tema-conteúdo do Plano de Aula, Arte Contemporânea, foi sugerido pela professora da turma com o intuito de dar continuidade ao Plano de Estudos da disciplina, que segundo a professora sempre fica relegado a um segundo plano, e que não poucas vezes deixa de ser trabalhado por falta de tempo. Dentro da Arte Contemporânea, através dos relatos dos alunos da turma, por serem eles muito participativos e demonstrarem bastante interesse em atividade ao ar livre e de contato com a rua e a atuação penso em intervenções artísticas. A proposta de situação de aprendizagem propõe uma seqüência de apreciação-pesquisa-produção-reflexão a partir do diálogo entre as diferentes linguagens da arte conceitual (objeto, instalação, intervenção, performance, vídeo-arte, etc.) com uma proposta final de criação coletiva de uma intervenção, tendo como foco principal a Arte Contemporânea, que deve ser entendida como:

(...) um campo complexo e interdisciplinar de operações, materialidades e proposições poéticas que vez por outra colocam em xeque a noção romântica de artista e a concepção burguesa de arte ligada à beleza, ao mercado, ao circuito de arte e ao colecionismo. Em dado momento da história, o ato artístico como ato político ficou mais evidente, desencadeando uma valorização dos processos artísticos e conferindo efemeridade ao que se passou a chamar de obra.Temos então os adventos do happening, da perfomance, da arte conceitual, da arte-processo, das ocupações urbanas, etc.”²


4. Objetivo Geral


O presente projeto pretende oportunizar situações educativas para que todos (os envolvidos) desenvolvam um “gostar de arte”, a partir do estudo da Arte Contemporânea e suas novas linguagens, onde a apreciação, a produção e a contextualização sejam por eles “experienciadas”, promovendo a reflexão, o estabelecimento das relações possíveis entre arte, cultura e sua vida cotidiana e a percepção, de si mesmos, como parte integrante deste contexto.

5. Objetivo Específico

Penso que podemos aproveitar os estudos de Arte Contemporânea e as novas linguagens da arte para que o aluno busque:

  • Compreender os paradoxos da vida contemporânea;
  • Estabelecer as relações possíveis, através de pesquisa e apreciação de imagens;
  • Formar um repertório da produção poética visual através das novas linguagens da Arte Contemporânea, muito especificamente com a instalação;
  • Ler, compreender, refletir, expressar e fazer arte a partir da experimentação com a Arte Contemporânea.
  • Vivenciar e explorar as novas possibilidades das linguagens da Arte Contemporânea;
  • Conhecer e explorar materiais alternativos, instrumentos e procedimentos necessários ao trabalho artístico com as novas estéticas (Arte Conceitual, Arte Ambiental, Performance, Videoarte, Objeto, Intervenção e Instalação)



6. Conteúdos abordados

Penso em abordar a Arte Contemporânea a partir do entendimento da arte como forma de produção e reprodução cultural, que deve ser compreendida a partir do contexto cultural, político e social em que se insere. Assim sendo, a Arte Contemporânea pode ser compreendida a partir da investigação do conceito pós-modernista, que trata de derrubar as barreiras que a sociedade criou em torno da arte “elitista”. A Arte Contemporânea vista como reflexo da sociedade pós-moderna em que se vive, inserida e influenciada por tudo que a circunda, atuando como forma de crítica cultural, manifestando-se sobre o que vive. O múltiplo, o ecletismo, a pluralidade, as muitas possibilidades de leitura e interpretação de uma obra de arte contemporânea, os significados que devem ser buscados e referenciados tanto no presente como no passado.
“A cena contemporânea - que se esboça num mercado internacionalizado das novas mídias e tecnologias e de variados atores sociais que aliam política e subjetividade (negros, mulheres, homossexuais etc.) - explode os enquadramentos sociais e artísticos do modernismo, abrindo-se a experiências culturais díspares. As novas orientações artísticas, apesar de distintas, partilham um espírito comum: são, cada qual a seu modo, tentativas de dirigir a arte às coisas do mundo, à natureza, à realidade urbana e ao mundo da tecnologia. As obras articulam diferentes linguagens - dança, música, pintura, teatro, escultura, literatura etc. -, desafiando as classificações habituais, colocando em questão o caráter das representações artísticas e a própria definição de arte. Interpelam criticamente também o mercado e o sistema de validação da arte.”³

Pensando a partir dessa nova configuração de cenário artístico e cultural, alguns artistas não podem faltar na proposta de trabalho que tenha como foco a Arte Contemporânea. Penso muito especialmente em Christo & Jeanne-Claude, Eduardo Srur, Helio Oiticica, Cildo Meireles, Tunga, Nuno Ramos, Carlos Fajardo, Nelson Leirner...  Da mesma forma as BIENAIS tanto a do MERCOSUL como as de São Paulo são referências fundamentais para o estudo em Arte Contemporânea.

7. Procedimentos e metodologias

Pensar a Arte Contemporânea a partir do tripé proposto por Ana Mae: apreciação (ver), produção (fazer) e contextualização (estabelecer relações). Seguindo um roteiro que parte de uma sensibilização dos sentidos através da apreciação da música e do vídeo, passa pela apreciação estética de obras de Arte Contemporânea (reproduções em Powerpoint), a leitura de imagens (roteiro em anexo), a pesquisa da Arte Contemporânea, em pesquisa no Laboratório de Informática e/ou a partir de materiais concretos (livros, folders, encartes das Bienais, materiais educativos, etc.) o desenvolvimento de um projeto de trabalho (desenvolvimento de uma poética pessoal), que tanto pode ser individual como coletivo, que leve em conta o universo poético pessoal em contrapartida ao mundo real e cotidiano, estabelecendo relações (contextualizando) entre o que se deseja para as suas vidas, entre a dureza da vida e as necessidades cotidianas de todos nós, tanto do ponto de vista estético como afetivo; refletir sobre a produção individual e coletiva, de forma a tentar superar os desafios impostos pelos materiais trabalhados e pela vida, traçando planos para que se possa ser protagonista das mudanças desejadas e se alcance transformações significativas em seus projetos de vida.

8. Cronograma de desenvolvimento das aulas
Os encontros deverão ocorrer às quartas-feiras, das 11h15min às 12h, em um período semanal, de 25/04/2012 a 12/06/2012.

8.1. Plano de aula do 1º encontro dia
Sensibilização através dos sentidos (Observação sensível do olhar, do sentir, do ouvir...) a partir da música “Bienal” de Zeca Baleiro.
Recepcionar os alunos com a música em uma sala em que as classes tenham sido previamente arranjadas em uma disposição fora do convencional. Podem ser empilhadas, de pernas pro ar, formando pequenos caminhos estreitos, formando labirintos (talvez com alguns espelhos)... No chão, coberto de papel pardo, as marcas dos pés dos alunos vão deixando rastros, marcas não observadas na correria do dia-a-dia, mas que agora se materializam e são perceptíveis. Pensar sobre isso. Por onde eu vou? Qual o meu caminho? Consigo separar o meu caminho dos caminhos dos colegas? Coletivos? Quais as minhas escolhas? Questões diversas que podem ir se formando a medida que caminhamos em direção ao futuro...Pensar qual seria esse futuro?
Disponibilizar canetas, lápis de cor, tintas e solicitar que anotem suas impressões, inquietações, ideias...Quem sou eu? Para onde vou?
No final da aula, disponibilizar aos alunos uma cópia da letra da música “Bienal” de Zeca Baleiro e do site do artista.

8.2. Plano de aula do 2º encontro dia

            A segunda aula se dará na Sala de Vídeo, espaço com recursos de datashow, telão, caixa amplificada, dvdplayer, cadeiras confortáveis e ar-condicionado. Esse espaço, fora da sala de aula convencional, é muito bem visto pelos alunos, tanto pelos recursos, como pelo deslocamento, a mudança de ares, que torna qualquer aula em um evento. Nesse espaço pretende-se que os alunos assistam aos vídeos:  “O que é arte contemporânea?” e “Isto é Arte?”, depois, participem de um debate sobre o que eles observaram e anotaram em seus diários. A ideia é fazer alguns questionamentos que permitam que os alunos percebam a ligação entre a proposta da primeira aula com a música “Bienal” com a arte contemporânea, despertando para experiências estéticas que os possibilitem perceber as articulações de sentido nessa nova linguagem e o contexto atual.
Reflexões a partir dos vídeos:
*Assistir o vídeo “ O que é Arte Contemporânea?” (5’28”) Disponível em http://www.youtube.com/watch?v=xClU8ZSObqs 
e o vídeo “Isto é arte?” Itaucultural (12’39”)da coleção artenaescola. Disponível na biblioteca da escola.

Essas anotações deverão ser individuais e realizadas em seus diários pessoais e servirão tanto ao debate como mais tarde poderão ser socializadas através de fotos no mural. A ideia é que cada um comece a refletir sobre o que pensa sobre arte contemporânea, liste suas dúvidas (O que é arte? Para que serve? A arte contemporânea tem algo a ver com a realidade e o nosso cotidiano? Etc...) e faça suas próprias descobertas e compartilhe com os colegas e o professor. Espera-se que os alunos possam construir um conceito de arte contemporânea e de instalação, a partir das discussões e reflexões socializadas no grupo.

8.3. Plano de aula do 3º encontro dia
Apreciação de imagens slides (PowerPoint) sobre a Arte Contemporânea e as novas linguagens da Arte Contemporânea (vídeoarte, instalação, intervenção, performance, etc.).
Pesquisa sobre Arte Contemporânea a ser realizada fora da sala de aula, no laboratório de Informática (lista de sites e referências em anexo) ou na biblioteca da escola, que poderá ser realizada em pequenos grupos. Trazer materiais da pesquisa para sala de aula para apresentação e discussão com os colegas na próxima aula. Escolher um dos artistas apresentados em aula (Christo & Jeanne-Claude, Eduardo Srur, Helio Oiticica, Cildo Meireles, Tunga, Nuno Ramos, Carlos Fajardo e Nelson Leirner) para aprofundar os estudos da Arte Contemporânea, já pensando em um projeto que venha a ser desenvolvido por cada grupo.
Os materiais de pesquisa concretos (encartes, folders, livros, catálogos, pranchas de imagens, impressos, etc.) e virtuais (notebook com acesso à Internet) deverão ficar sempre à disposição de todos nas aulas para que todos possam se apropriar dos conceitos, das poéticas e dos artistas, e possam elaborar e aprimorar suas propostas de trabalho, seus projetos pessoais ou coletivos, de forma mais tranquila.

8.4. Plano de aula do 4º encontro dia
Apresentação das Propostas dos Projetos a serem desenvolvidos com foco na Arte Contemporânea: novas linguagens.
Formação de pequenos grupos de trabalho. Cada grupo poderá optar pela linguagem que mais lhe chamou atenção (vídeoarte, instalação, intervenção, performance, etc.)
Escolha dos temas, nomes dos Projetos e do local onde serão realizados? Poéticas a serem desenvolvidas pelos grupos? Orientação nos pequenos grupos.
Solicitar que os alunos façam desenhos, esboços dos Projetos que eles gostariam de construir. Os desenhos podem ser individuais, coletivos, como eles se sentirem mais à vontade para realizar. Combinar de escolher os desenhos-projetos a fim de que na próxima aula sejam desenvolvidos pelos grupos de alunos para apresentação aos colegas.
Lembrar aos alunos que todo processo deve ser documentado visualmente (foto ou vídeo) e por escrito através de diários de bordo.

8.5. Plano de aula do 5º encontro dia
Confecção de um mural com os desenhos-projetos dos grupos.
Discussão sobre os materiais e ajustes que deverão ser feitos para concretização dos trabalhos, em que todos os grupos poderão ajudar a encontrar soluções para a realização dos projetos.
Elaboração dos projetos e elenco dos materiais que poderão ser utilizados, busca de soluções...Dicas, ajustes que podem fazer com os trabalhos fiquem mais interessantes do ponto de vista artístico.

8.6. Plano de aula do 6º encontro dia
Tempo para últimos ajustes e definição dos detalhes dos projetos para apresentação aos colegas.
Escolha de um nome para a Mostra de Projetos.
Escolha de um grupo que deverá encarregar-se da divulgação da Mostra de Projetos (Internet, escola, bairro ?)

8.7. Plano de aula do 7º encontro dia
Montagem da Mostra dos Projetos que deverá ser aberta à comunidade escolar.

8.8 Plano de aula do 8º encontro dia
Montagem de um mural de fotos do making-off do Projeto e da Mostra de Projetos com fotos, vídeos, depoimentos, escritos, etc.
Avaliação do Projeto pelo grupo de alunos e pelo professor.

9. Recursos de ensino

Os recursos utilizados na execução do Projeto de Estágio serão os disponibilizados pela escola: datashow na sala de vídeo e materiais selecionados na biblioteca: materiais de pesquisa concretos (DVDs, encartes, folders, livros, catálogos, pranchas de imagens, impressos, etc.) e virtuais (notebook com acesso à Internet);  algumas cópias xerocadas com informações, dicas de sites e referência para pesquisas; os materiais solicitados aos alunos durante o percurso das aulas e conforme a necessidade de elaboração de seus projetos, além do PowerPoint com as imagens das obras, elaborado exclusivamente para esse Projeto e da utilização do espaço virtual do blog do Projeto Ler é Arte http://projetolerearte.blogspot.com.

10. Socialização do trabalho

Os trabalhos originais dos alunos deverão fazer parte da mostra do PROJETO LER É ARTE, no mês de outubro e de uma mostra para pais, alunos, professores e comunidade, na semana de encerramento do estágio. Além disso, conforme exposto anteriormente, os mesmos serão fotografados e filmados para postagem no blog http://projetolerearte.blogspot.com para apreciação de todos tão logo fiquem prontos. Antes de serem apresentados ao público, devem ser apreciados pela turma e servir de mote para se pensar o processo criativo que envolveu alunos, professor, mundo real, imaginação e obra. Nesse diálogo os alunos poderão pensar coletivamente sobre os erros e acertos com relação aos materiais, ao que eles estavam propondo, ao que poderia ter sido feito de outra forma, aos objetivos que eles traçaram para seu projeto, sobre como eles gostariam que suas criações fossem expostas. Enfim, refletir sobre os passos que envolvem a produção artística.

11. Avaliação

Penso que a avaliação deva ser um processo constante de reflexão sobre o que se aprende e o como se aprende; um caminho de mão dupla, portanto, que além do crescimento individual deve levar em conta uma auto-avaliação do aluno e sua percepção de aprendizagem. Para que isso fique devidamente documentado, além das fotografias e vídeos, serão utilizadas as próprias anotações nos diários de bordo e reflexões dos alunos que servem como Portfólio de artes e como referência do que foi aprendido durante as aulas, além, é claro, das anotações feitas pelo professor a partir da observação do que os alunos produziram e do como eles produziram.

12. Referências:
BARBOSA, Ana Mae. (Org.) Inquietações e mudanças no ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2002.
COCCHIARELI, Fernando.Quem tem Medo da Arte Contemporânea? 2003, Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, p.71

CORAZZA, Sandra. Planejamento de Ensino. Disponível em http://moodle.regesd.tche.br/mod/resource/view.php?id=16609 Acesso em 09/10/2011.
HERNANDEZ, Fernando, Cultura Visual, mudança educativa e projeto de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 2000.
Acesso em Acesso em 01/10/2011.
MARTINS, Miriam Celeste. Projetos em Ação no Ensino de Arte. Disponível em http://moodle.regesd.tche.br/mod/resource/view.php?id=16608 Acesso em 09/10/2011.
¹NAVES, Rodrigo. Arte e Vida: Flagrantes e reflexões. texto completo disponível em ESTADÃO:CULTURA
ORLANDI, Eni P. Interpretação: autoria, leitura e os efeitos do trabalho simbólico. São Paulo: Vozes, 1996.
PARSONS, Michael J. A arte como modelo de compreensão. Arte & Educação em revista, Porto Alegre, v. 4, n. 3, p. 61-69, out. 1997.
Vídeos:
 “ O que é Arte Contemporânea?” (5’28”) Disponível em http://www.youtube.com/watch?v=xClU8ZSObqs
“Isto é arte?”( 12’39”) Itaucultural.. DVD arte na escola.Disponível na biblioteca da escola.
“Todo o passado dentro do presente” Disponível em www.artenaescola.org.br
Jogo interativo “O que é Arte?” Disponível em http://www.itaucultural.org.br/istoearte/index.html

Principais artistas contemporâneos a serem trabalhados no projeto:

Christo & Jeanne-Claude  http://www.christojeanneclaude.net/

Tunga



terça-feira, 19 de junho de 2012

Escadaria Selarón


Si e Bel na Escadaria Selarón

Inspirada nas fotos que minha cunhada Simone tirou na Escadaria Selarón e nas imagens do DVD arte na escola sobre  paineis realizados em cerâmica, fui pesquisar um pouco mais e encontrei esse site que traz listado vários paineis espalhados pelo Brasil e que nem sempre recebem a devida atenção.
Confiram em PAINEIS.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Zarpando (ainda...)


Joaquim Torre Garcia - 1941
En sudamérica, Joaquín Torres García, artista plástico y teórico del arte uruguayo, buscó darle notoriedad al continente sudamericano, allá por el año 1941, creando la Escuela del Sur, y dibujando como símbolo un mapa sudamericano al revés.

"He dicho Escuela del Sur; porque en realidad, nuestro norte es el Sur. No debe haber norte, para nosotros, sino por oposición a nuestro Sur. Por eso ahora ponemos el mapa al revés, y entonces ya tenemos justa idea de nuestra posición, y no como quieren en el resto del mundo. La punta de América, desde ahora, prolongándose, señala insistentemente el Sur, nuestro norte.

Zarpando...


"A bússola, mais conhecida pelos marinheiros como agulha, é sem dúvida o instrumento de navegação mais importante a bordo. Ela teve sua origem na China do século IV a.C. Sua adaptação e reconhecimento no Ocidente aconteceu cerca de 1.500 anos depois. A primeira referência deste instrumento na Europa aparece em um documento de 1190, chamado "De Naturis Rerum". As primeiras bússolas chinesas não utilizavam agulhas . Eram compostas por um prato quadrangular representando a Terra. O "indicador"(objeto que indica a direção), com forma de concha, era de pedra imantada e a base (prato), de bronze. Um círculo no centro do prato representava o céu e a base quadrada, a terra.
 O cabo da concha indicava o sul. A concha é uma representação simbólica da Ursa Maior. A base continha caracteres chineses que assinalavam os oito pontos principais: norte, sul, leste, oeste, nordeste, noroeste, sudeste e sudoeste. A introdução da agulha aumentou a precisão da leitura."

Leia mais em MUSEU TEC

terça-feira, 29 de maio de 2012

Dia da Gentileza


No Brasil, o “Dia da Gentileza” é comemorado em 29 de maio, data em que José Datrino, o profeta Gentileza, faleceu, aos 79 anos. Seu codinome deve-se ao lema de vida de José: “Gentileza gera gentileza.” Costumeiramente ele andava pelas ruas do Rio de Janeiro espalhando palavras, gestos e escritos de incentivo a atitudes atenciosas entre as pessoas.
Será que ja paramos para pensar que um sorriso dirigido a alguém, ou  o ato de cumprimentar o seu próximo através de um bom dia pode ser um positivo divisor de águas na vida de alguém?
Portanto não perca tempo, ser gentil não custa nada:
1- Abraçe alguém.
2 – Cumprimente alguém chamando-o pelo seu nome.
3 – Escreva  uma carta ou visite  aquela pessoa que há muito você não vê.
4 – Ofereça telefonemas de carinho.
5 – Ore por alguém , mesmo que você não a conheça.
6 – Ceda seu lugar no ônibus para alguém.
7 – Valorize a cidadania no trânsito respeitando as pessoas…

Fonte: Nova Conciência

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Patrimônio Cultural: pintura mural de aldo Locatelli

 



Segue um mini-projeto para desenvolvimento com alunos:

Projeto Pintura Mural

Público alvo: 1º ano do EM Politécnico

Objetivo: estudar a pintura mural no RS e suas respectivas influências

Objetivos específicos: conhecer melhor a pintura mural e seus principais representantes;


Roteiro de atividades:
Visitação in loco dos murais de Aldo Locatelli no Palácio Piratini;
Pesquisa de outros grandes muralistas no Brasil e no mundo (Diego Rivera, Michelangelo, Portinari...);
Pesquisa de outros murais existentes em POA, como por exemplo, os grandes murais do Instituto de Artes (IA) da UFRGS e do Instituto Estadual Flores da Cunha;
Levantamento de “visibilidade” e acesso a esses murais (o publico pode visitá-los, precisa de alguma autorização especial, qual o estado de conservação desses murais, e os murais que estão expostos ao tempo, como são conservados os murais...? levantamento de outros questionamentos que possam surgir durante a visitação e a pesquisa);
Documentação dos murais visitados pessoalmente e virtualmente com fotos, filmagens e outros materiais como folders, etc.
Atividade de criação de um Mural para a escola com temática a ser escolhida em conjunto com os alunos.
Planejamento interdisciplinar, envolvendo outras áreas: a sócio-histórica, as linguagens, as ciências e a matemática...Todos podem e devem se envolver.

As possibilidades são inúmeras, basta um pouco de boa vontade, uma dose extra de paciência para conseguir “vender” a ideia para a supervisão-coordenação pedagógica da escola. 

Referências: